30.6.09

Jean Todt não bem aceito para o comando da FIA

A especulação que envolve o nome de Jean Todt como um possível candidato à sucessão de Max Mosley na presidência da FIA — mesmo que o inglês tenha dito que pode voltar atrás com a sua ideia de não concorrer à eleição de outubro — foi descartada nesta terça-feira (30) por Carlos Gracia.
O presidente da Federação Espanhola de Automobilismo, que também é membro do Conselho Mundial da entidade e um dos apoiadores do atual mandatário, disse que o ex-chefe de equipe da Ferrari só será indicado por Mosley se este "estiver louco".
"A nao ser que Max tenha ficado louco e ainda mais irritado com tudo, não acho que ele vá apoiar Todt. Afinal, todos sabemos de onde ele veio e a quem ele está ligado", disse o dirigente em entrevista à rádio "Onda Cero".
Gracia também reclamou do comportamento de Luca di Montezemolo com relação a Mosley e, assim como o presidente, disse que o italiano da Ferrari está comemorando antes da hora. "O que Montezemolo fez mostra uma total falta de respeito à FIA e ao Conselho Mundial. Não apoio Max até a morte, mas vou sempre defender — e aí, sim, até a morte — o respeito à instituição.
"E, para o espanhol, o comportamento de Montezemolo pode fazer com que o Mosley decida mesmo voltar atrás no que foi combinado entre FIA e Fota. "Por isso, não me surpreenderia se Max concorresse à reeleição. A pior coisa que se pode fazer é deixar um animal ferido, e o que Luca fez reavivou Max", explicou.
Fonte:grande premio

O fim da Speed car

A organização da Speedcar anunciou nesta terça-feira o fim da categoria, já que Claudio Berro, seu novo chefe, não conseguiu levantar dinheiro suficiente para mais uma temporada.
A Speedcar começou em janeiro de 2008 como categoria asiática inspirada na Nascar, mas sem circuitos ovais. Passou por pistas como Losail, Dubai, Bahrein e Sepang e teve dois campeões, Johnny Herbert e Gianni Morbidelli.
Outros pilotos ex-F-1 chegaram a correr na Speecar, como Jacques Villeneuve, Jean Alesi, JJ Lehto, Stefan Johansson, Heinz-Harald Frentzen, Narain Karthikeyan, Vitantonio Liuzzi, Christian Danner, Ukyo Katayama e Alex Yoong. Até Marco Melandri, da MotoGP, disputou algumas provas.Os carros eram iguais e tinham motores V8 de 620 cavalos.
Fonte: Tazio

Jarno Trulli e o GP da Alemanha

Italiano, Jarno Trulli disse consedeu nesta terça-feira declaraçoes sobre o próximo GP o da Alemanha, e está otimista para a prova. Neste ano, a corrida será disputada no circuito de Nürburgring, que fica a apenas 70 km de Colônia, onde fica a sede da fábrica da Toyota.

"Sou italiano e minha prova de casa é sempre Monza, porém, sendo parte do time, tenho algumas 'segundas casas', e a Alemanha é uma delas", disse o piloto. "É uma corrida muito especial para o pessoal, incluindo Timo [Glock], e realmente queremos ir bem lá”, completou, citando também Fuji, pista de propriedade da montadora japonesa.

Trulli foi em Nürburgring que ele conquistou seu primeiro pódio na F1, em 1999. "Estávamos na chuva e, mesmo não tendo o carro mais competitivo, forcei o máximo e consegui terminar em segundo”.

"Porem espero que este ano corramos no seco, mas é difícil prever. Devemos ter alguns novos itens no carro e é ótimo ver todos trabalhando duro na fábrica para termos um desempenho melhor que em Silverstone.”, encerrou o piloto

Alonso na Ferrari..parte...mil


Agora com data e hora marcada. Será que o boato se confirma?


Segundo o diário "AS", o dia 11 de setembro vai ganhar um novo significado para os amantes espanhóis do esporte: será o dia em que a Ferrari anunciará a contratação de Fernando Alonso para as próximas cinco temporadas — ou seja, já a partir de 2010.


Na edição desta terça-feira (30) do diário madrilenho, uma reportagem supostamente revela que a equipe vermelha vai oficializar o contrato na sexta-feira do GP da Itália. A matéria não afirma se será Felipe Massa ou Kimi Raikkonen o piloto a ser substituído pelo bicampeão, mas declara que a posição no Mundial de Pilotos e a preferência dos engenheiros será fundamental para a permanência de um dos dois — e o brasileiro levaria vantagem.

A negociação seria fruto da entrada do banco Santander na Ferrari — a instituição financeira foi confirmada em Maranello ainda no fim do ano passado, mas só terá sua marca estampada nos carros a partir do próximo ano.


De acordo com o diário, o time ainda está negociando a presença de Alonso no tradicional evento de fim de ano, já que o piloto tem contrato com a Renault até 31 de dezembro. As especulações sobre o assunto na imprensa espanhola são comuns, mas é a primeira vez que um jornal publica uma data em especial para o anúncio. Massa e Raikkonen, porém, têm contratos em vigência até o final de 2010.


Fonte:grande premio

29.6.09

TV Globo cancela F-1 Histórica

A TV Globo está sentido a crise mundial e desconta no lado do automobilismo. A falta de dinheiro, ou interesse, Fez como que a formula - 1 histórica, cancelasse a etapa do brasil que seria realizada pela primeira vez em Interlagos, São Paulo.

Abaixo segue o comunicado divulgado no site dos organizadores do evento.

É com grande pesar que a F1 Histórica anuncia o cancelamento da etapa no circuito de Interlagos, em São Paulo, Brasil.A F1 Histórica foi informada na tarde desta sexta-feira (26) que os organizadores do evento haviam entrado em contato com a FIA para cancelar a prova.
A F1 Histórica entende que o principal patrocinador, a TV Globo, não foi capaz de financiar o evento por conta da atual crise econômica.Com prazos tão curtos e com compromissos que exigiriam antecedência, não há tempo suficiente para garantir qualquer acordo.
Muitas equipes já haviam reservado voos, além dos preparativos para a viagem, pois a F1 Histórica via com grande expectativa a oportunidade de correr diante da entusiasmada torcida brasileira.Esperamos por uma nova chance no futuro.

28.6.09

Novo site de busca somente de automobilismo

Fico muito feliz cada vez que uma noticia desse porte chega aos meus ouvidos. Temos agora um site de busca especializado em automobilismo. Projeto como esses sempre são bem vindos. Quem toma conta disso é a Barbara Franzin que também escreve no blog velocidade.org. O site de busca ainda esta engatinhando mais é um começo. Para que quizer dar uma conferida o só acessar aqui

Jacques Villeneuve no Brasil

Leo Lucente, o chefe de imprensa da Top Race, uma das principais categorias de turismo na Argentina, confirmou a participação do canadense campeão de Fórmula 1 Jacques Villeneuve na prova preliminar da quinta etapa do brasileiro de Fórmula Truck no dia 19 de julho em Interlagos, São Paulo - como já havia antecipado Téo José em matéria no site Amigos da Velocidade


O campeão da Fórmula 1 em 1997 pela Williams confirmou nessa semana sua participação nas duas etapas que a Top Race fará com a Fórmula Truck - dia 19 de julho no Autódromo José Carlos Pace em Interlagos e no dia 20 de setembro no Autódromo Juan y Oscar Galvez em Buenos Aires, Argentina.


Jacques Villeneuve além de campeão da F-1, tem em seu currículo o título da F-Indy em 1995, quando também venceu as 500 Milhas de Indianápolis, e foi vice-campeão na sua primeira temporada na F-1 em 1996, lembrando ainda que seu título em 97 teve uma grande disputa até a última etapa com Michael Schumacher.


Villeneuve que já correu uma prova na To Race no ano passado na Argentina, fará parte da comitiva de 41 competidores que virão ao Brasil no evento mais concorrido do automobilismo nacional em Interlagos, a etapa paulista da Fórmula Truck. O piloto correrá com um modelo Mercedes TRV6 e participará de todas as atividades programadas pela comitiva, incluindo a visita ao túmulo de Ayrton Senna no Cemitério do Morumby.


"Foi muito divertido a primeira vez, mas este ano tenho duas vantagens que pretendo aproveitá-las bem. Agora já conheço o carro (TRV6) e também as duas pistas onde ganhei provas da Fórmula 1, Interlagos e Buenos Aires", declarou Villeneuve, que lembrou bem suas vitórias nas etapas de São Paulo e Buenos Aires em 1997, ano em que foi campeão mundial.


O piloto canadense ainda correu mais algumas vezes em Interlagos, sendo a última em 2005 pela BAR, hoje Brawn GP.Em contato com jornalistas argentino Jacques Villeneuve confirmou ainda que está em negociação com a Fórmula 1 pode voltar a correr na temporada de 2010.


Fonte: Amigos da Velocidade


Vai ser legal rever o campeão de 1997 novamente em solo brasileiro.

O adeus a Michael


Fechando as homenagens de hoje. como nao poderia deixar de faltar esse blog reverencia esse grande mestre da musica pop mundial. Nao sou fão de Michael Jackson, mas muitos pilotos, leitores e amigos são e mnão tenho como deixar de reconhecer que ele era um grande musico, um marco na historia da musica que se foi tão cedo. Afinal "...os bons morrem jovens..."

Um dos clips mais legais dele é a minha forma de homenagea-lo. Bye Michael. goodbye

video

Parabens Nico

Uma homenagem a Nico Rosberg que fez aniversario ontem .Parabens!!!!!!!!!!!!! e muitas voltas na vida!!!!









26.6.09

Briatore negocia melhorias no 'espetáculo' da F1

A Fota (Associação de Equipes da F1) designou Flavio Briatore como seu representante para comandar as negociações com a FIA e com a FOM (Formula One Management) visando iniciativas para tornar a F1 mais atrativa para seus fãs. O chefe de equipe da Renault é o diretor-comercial da associação e, além dessa tarefa, terá a missão de participar das tratativas para a assinatura do novo Pacto da Concórdia.

Os planos para a evolução da F1, em termos comerciais e esportivos, foram revelados por Luca di Montezemolo, presidente da Fota, em entrevista coletiva realizada em Bolonha, na Itália, nesta quinta-feira (25). "Flavio vai trabalhar com os detentores dos direitos comerciais [da F1] para melhorar o show e o interesse no esporte. Vamos manter as regras de 2009 para todos, o que é extremamente importante. Teremos estabilidade na F1 até, pelo menos, 2010. Isso significa que não teremos custos extras, porque não há custos extras com estabilidade", afirmou.

"Teremos uma gestão como em anos anteriores, em que as regras eram passadas com clareza pela Comissão da F1. Continuaremos como times, como montadoras, trabalhando para realizarmos importantes cortes de gastos, como já fizemos com sucesso para a utilização de motores e caixas de câmbio", disse o presidente da Ferrari.
(fonte:Grande Prêmio)

Olha que eu volto

Estou me sentindo como uma criança de creche que a tia fica na porta vendo as besteiras que estou fazendo. Aiiiii meu Deus!!!

E a novela pode não ter se encerrado, afinal. Depois de FIA e Fota sinalizarem o caminho da paz na F1 com a confirmação de Max Mosley de que não concorreria à presidência da federação nas eleições de outubro, o inglês voltou atrás na quinta-feira (25) e disse que, devido ao comportamento da associação de equipes, pode pensar em mudar de decisão.
Segundo o dirigente, a Fota apresentou as informações sobre o futuro da F1 de forma a tentar, deliberadamente, confundir a imprensa e a torcida.Em uma carta escrita a Luca di Montezemolo, presidente da Ferrari e da Fota, Mosley reassegurou que não caberá à Fota escolher quem será seu substituto no comando da FIA.
"Dada às tentativas deliberadas da Fota de enganar a mídia, agora considero minhas opções em aberto. Ao menos até outubro, sou o presidente da FIA com toda a autoridade do cargo. Depois disso, cabe aos clubes membros da FIA, e não a você ou à Fota, decidir quem será o próximo líder", disparou o inglês.
Max também reclamou que a associação não cumpriu o acordo feito na reunião de quarta em Paris em que as duas entidades combinaram de tratar os assuntos referentes à F1 de maneira aberta. "Nós fizemos uma combinação ontem para acabarmos com as recentes dificuldades na F1, e uma parte fundamental disso foi que todos seríamos honestos com a imprensa."
"Por isso, fiquei chocado ao ver que a Fota veiculou a informação de que o senhor Boeri (Michel Boeri, presidente do Automóvel Clube de Mônaco e do Senado da FIA) havia tomado conta da F1, algo que você sabe que é completamente irreal, e que eu fora forçado a deixar meu cargo, outra falsidade. E, aparentemente, eu não teria nenhum papel na FIA até outubro, algo sem nenhum sentido até pelos estatutos da FIA", seguiu a carta.
Mosley continuou e afirmou que, se a Fota não cumprir o que foi combinado no encontro de Paris, ele também pode mudar seus planos. "Se você deseja que o acordo que fizemos tenha alguma chance de sobrevivência, você e a Fota precisam retificar suas ações imediatamente. Vocês precisam corrigir essas falsas informações que foram dadas e, depois, não dar declaração nenhuma. Você, em pessoa, precisa emitir uma correção e pedir desculpas na sua entrevista coletiva nesta tarde", ordenou.
"A F1 é dirigida completamente por nossos 25 fortes times sem nenhuma ajuda minha ou de qualquer pessoa de fora. Eu não precisava mais me envolver na F1 após termos feito um acordo. E, igualmente, eu tinha um plano feito há muito tempo de não concorrer à reeleição em outubro e, por isso, pude confirmar estes dois pontos no encontro de quarta", concluiu Mosley.
A Fota realiza um encontro com todos os seus membros nesta tarde. Depois da reunião, deve emitir um parecer sobre a nova carta feita por Mosley e sobre os próximos passos da entidade.
Fonte:grande premio

25.6.09

Jarno Trulli e Alonso em visita

Os dias que antecedem um grande premio são marcados por intenso trabalho dos pilotos junto com patrocinadores e afins. Faz parte do marketing dos pilotos, abaixo mostramos dois vídeos que são um claro exemplo dessa tarefa dos pilotos. Jarno Trulli e Fernando Alonso são os exemplos de hoje. Um visita um hospital e distribui autógrafos enquanto outro concede uma entrevista a uma rede local.



Fernando Alonso vista em hospital

24.6.09

Puro Rock Roll

O GP da Inglaterra sempre é marcado pelo Rock Roll dessa vez foi a vez da filha de Sr. Mick Jagger, do poderoso Rolling Stones, aparecer a designer Jade Jagger.




E para variar a namora de Lewis Haminton tambem apareceu com seu visual

Fomos feliz para sempre... nos 13

Confira as 13 inscritas para a próxima temporada da F-1:

Scuderia Ferrari Marlboro (Ferrari)
Vodafone McLaren Mercedes (Mercedes-Benz)
BMW Sauber F1 Team (BMW)
Renault F1 Team (Renault)
Panasonic Toyota Racing (Toyota)
Scuderia Toro Rosso (motor a ser confirmado)
Red Bull Racing (motor a ser confirmado)
AT&T Williams (Toyota)
Force India F1 Team (Mercedes-Benz)
Brawn GP Formula One Team (motor a ser confirmado)
Campos Meta Team (Cosworth)
Manor Grand Prix (Cosworth)
Team US F1 (Cosworth)

Era uma vez...


A reunião entre FIA e Fota no Conselho Mundial, em Paris, deu resultado. Na saída do encontro, Max Mosley afirmou que não vai concorrer à reeleição na presidência da entidade máxima do automobilismo e que, assim, chegou a um acordo com as equipes.


"Não vou concorrer à reeleição, então, agora, temos paz", disse Mosley nesta quarta-feira (24).Se a previsão de Max for concretizada, será o fim da nova categoria da Fota, anunciada na última quinta-feira (18). Segundo o presidente da FIA, as duas partes chegaram a um acordo em relação à redução nos custos para a temporada 2010 — embora não tenha mencionado o teto orçamentário. "


Não haverá separação. Acertamos um corte de gastos", confirmou o dirigente. "Haverá apenas um campeonato da F1, mas o objetivo é, nos próximos dois anos, atingir os níveis de gastos dos anos 1990", continuou Mosley, sem esclarecer de que maneira esta redução será implementada.
Bernie Ecclestone, presidente da FOM, avalizou o acordo e comemorou o alcance da paz entre as entidades.


"Estou muito feliz pelo consenso ter prevalecido", disse. De acordo com fontes da revista "Autosport", Mosley, Bernie e Luca di Montezemolo comandaram uma série de encontros ao longo da madrugada para que a reunião do Conselho fosse apenas para confirmar a resolução.


Segundo a publicação, a saída de Max do poder é parte de uma troca, que tem ainda o fim da nova categoria da Fota e a assinatura de um novo Pacto da Concórdia até 2012. Um comunicado da Fota é aguardado para as próximas horas. Espera-se que as equipes confirmem o acerto e deem detalhes sobre a reunião. Ainda nesta tarde, a FIA deve anunciar a lista definitiva das equipes para o Mundial de 2010.


fonte:grande premio


E tudo acabou com um felizes para sempre. Agora é so aguardar a indicação de Jean Told

22.6.09

FOTA divulga o seu calendario

É com grande pesar que dou essa noticia caso a FOTA e FIA não se entendam não vamos ver as grandes correndo aqui em terras tupiniquins. O Brasil não esta no calendário provisório da FOTA


O jornal inglês "The Guardian" divulgou nesta segunda-feira (22/06) o esboço do que seria o calendário planejado da Fota para seu campeonato no ano que vem. A etapa da América do Sul está reservada para a Argentina, que há 11 anos não recebe competições da F1.

O primeiro GP da nova categoria seria em solo argentino e o ultimo na Austrália. Curiosamente, o jornal argentino "Crítica" informou hoje também que Bernie Ecclestone pretende levar a F1 de volta para o país, mas não no circuito Oscar Galvéz.A América do Norte voltaria com força total, com provas nos EUA, Canadá e México. O novíssimo circuito do Algarve, em Portugal, consta na lista, além de Mônaco, Monza e as novas pistas construídas na Ásia de Abu Dhabi e Cingapura e até Helsinque, capital da Finlândia. O calendário exclui a unânime Spa-Francorchamps, na Bélgica.
Agorra a nos brasileiros resta a torcer para que eles venham a se entender.

Outra noticia é que equipe da esportiva Record esta acompanhando de perto os novos acontecimentos. (Não sei se fico triste ou feliz com essa ultima noticia...)


Calendário 2010 do campeonato da Fota:

3/3 Argentina (Buenos Aires)

21/3 México(Hermanos Rodríguez)

11/4 Espanha (Jerez de la Frontera)

25/4 Portugal (Algarve/Portimão)

2/5 Itália (Ímola)

23/5 Mônaco(Monte Carlo)

6/6 Canadá(Montreal)

13/6 EUA (Indianápolis)

1/7 Inglaterra(Silverstone)

25/7 França(Magny-Cours)

15/8 Alemanha(Lausitz)

29/8 Finlândia(Helsinque)

12/9 Itália(Monza)

26/9 Emirados Árabes(Abu Dhabi)

10/10 Cingapura(Marina Bay)

24/10 Japão(Suzuka)

8/11 Austrália(Adelaide ou Surfers' Paradise)

Mark Weeber deve ser operado

Mark Webber vai passar por uma nova cirurgia nas próximas semanas para a retirada dos pinos da perna direita, consequência do acidente de bicicleta que sofreu no final do ano passado.


"Tenho dois parafusos na parte inferior da canela direita que precisam ser retirados", revelou o australiano da Red Bull, que terminou o GP da Inglaterra, disputado no último domingo (20), na segunda colocação.


"O osso está suficientemente recuperado, o que é realmente uma boa notícia. Não se trata de uma grande operação, será apenas uma anestesia local", explicou Webber, lembrando que a placa de titânio vai continuar na perna.Após o procedimento, o piloto deve descansar até a etapa da Alemanha, em Nürburgring, que acontece em 12 de julho.

Fonte:grande premio

Fernando Alonso entrevista

“Nuestra carrera se acabó en la primera curva. Al salir décimo en parrilla y perder dos o tres posiciones, sobre todo con coches que van muy cargados de gasolina y en un circuito donde no se puede adelantar, hicimos el resto de las vueltas más por diversión que por otra cosa”.

“Para una mala salida siempre se dan distintos factores. Hay que tener el embrague en una posición justa que te marcan desde el box, ya que tenemos como nueve posiciones del mismo y esto, a veces va bien y a veces no. Además, llevamos unas cuantas carreras saliendo por el lado sucio de la pista, y luego está otro factor: el de los neumáticos. Hoy, todos nuestros rivales salieron con los más blandos, mientras que nosotros no, y les dio ventaja en ese momento”.

“El ritmo era mejor cuando rodábamos solos. Nuestra 14ª posición no es real, pero no sé cuánto mejor es en realidad. Lo que tenemos que hacer es salir mejor, ir todo el fin de semana mejor, y eso es lo que vamos a intentar hacer desde el próximo GP de Alemania”.

“No estoy ni enfadado ni resignado, estoy igual que cuando vine aquí. No tenía muchas esperanzas en esta carrera. En Turquía fui décimo y al no traer ninguna evolución aquí, no íbamos a esperar ningún milagro de la noche a la mañana. Ya en la crono, después de saber que teníamos el cuarto o quinto coche más ligero, sabíamos que en carrera la cosa iba a estar complicada”.

“Mi lucha con Hamilton fue buena, somos dos campeones del mundo y creo que para la gente ha sido un buen espectáculo. Pero nosotros lo que queremos es luchar por posiciones de podio, y no por un 16º lugar".

Flavio diz que o tempo de acordo já passou. Será?


Para Flavio Briatore, o tempo para um possível acordo entre a Fota (Associação de Equipes de F1) e a FIA já passou. Os membros da entidade têm reunião marcada para esta semana. O objetivo do encontro é discutir os próximos passos para a formação de um novo campeonato.E, de acordo com Briatore, a única meta da Fota no momento é a criação desse torneio paralelo. Vale lembrar que a Fota rompeu com a FIA, por conta das divergências sobre o regulamento de 2010.

As oito equipes da associação anunciaram o racha na última quinta-feira (18)."Nós tentamos estabelecer um compromisso, deixamos as portas abertas, tentamos tudo, na verdade", afirmou o dirigente da Renault.


"Mas tivemos a porta fechada nossa cara. E o acordo não feito pela Fota, mas, sim, pela ACEA (Associação dos Fabricantes Europeus de Automóveis)", completou."Talvez as pessoas não estejam pensando somente nos negócios, como alguns disseram, mas os fabricantes estão firmes em sua posição, simples assim", falou.



A Fota deve se reunir na quinta-feira (25), um dia após a reunião do Conselho Mundial da FIA, em que Max Mosley deve também falar sobre uma eventual reeleição em outubro. O chefe italiano, no entanto, deixou claro que o resultado do encontro do Conselho não vai mudar em nada a posição das equipes.


"Não acho que a decisão do Conselho mudará as coisas na Fota", disse Flavio, que também expressou o seu descontentamento com os comentários feitos por Mosley na semana passada.


O presidente da FIA acusou Briatore de tentar ser um novo Bernie Ecclestone."Max leva tudo para o âmbito pessoal o tempo inteiro", criticou. "Pessoalmente, eu não quero falar sobre a vida privada dele, porque já tivemos uma demonstração disso no ano passado."Por fim, o dirigente reiterou a força política da Fota.


"Me vejo exatamente como sou. Sou a Fota e acredito nessa entidade. Creio que estamos mais fortes e queremos fazer um campeonato competitivo, com os melhores pilotos do mundo. Além disso, queremos garantir que as pessoas que estiverem na F1 saibam que estão na F1 e não na GP3 ou GP4", disse.


"Queremos equipes reais, não boxes vazios. Nós estamos curiosos, pois uma lista de equipes de 2010 deveria ter sido divulgada na sexta-feira. Mas não vimos nenhuma lista. Estou curioso para ver", ironizou.

(Fonte: Grande Prêmio)

21.6.09

GP da Inglaterra em imagens




















Vettel ganha mais uma!!!

Já na largada, Vettel permaneceu na 1ª colocação, com Rubens Barrichello e Mark Webber na sequência. O inglês Jenson Button, que largou em 6°, caiu para a 9ª colocação ainda na primeira passagem. Felipe Massa pulou da 11ª para a 8ª posição, sendo pressionado pelo líder do campeonato logo em seguida.

Enquanto isso, Vettel seguia com um ritmo alucinante na 1ª posição, abrindo entre 0s5 e 1s por volta para Barrichello, que, por sua vez, sofria pressão de Mark Webber, o outro piloto da Red Bull. Vettel ganhou praticamente dirigindo de ponta ponta. Fez a melhor volta a da prova, alem da pole de ontem.

A corrida foi marcada por intensas disputas no pelotão de trás. Na 2ª volta, Lewis Hamilton e Nelsinho Piquet disputaram um bonito buelo, parecido com os que distutavam na época de GP2 Series . Algumas belas brigas no pelotão intermediário, como a disputa intensa entre Nick Heidfeld e Fernando Alonso pela 12ª colocação e entre Kubica e Hamilton pela 14ª posição. Porximo a volta 30 Hamilton e Alonso realizaram uma intensa briga pela 16ª posição na 30ª volta. Mesmo sendo uma das piores colocações da prova, a torcida inglesa aplaudiu muito as manobras do atual campeão.

Barrichello fez sua primeira parada antes dos pilotos da RBR, na 19ª volta. Deixando Weeber em seu lugar. Logo depois foi a vez de Webber parar nos boxes, retornando à frente do brasileiro. Depois, Vettel fez seu pitstop e voltou à frente dos rivais.

Na 25ª volta, o piloto alemão estava na liderança da corrida com uma tranquila vantagem de 21s5 para seu companheiro de equipe, que ocupava a 2ª colocação e conseguia se distanciar de Barrichello.

Na 34ª passagem, o finlandês Heikki Kövalainen teve problemas no pneu de seu McLaren e ficou um pouco mais lento na pista, sendo abalroado por trás pelo francês Sébastien Bourdais, que perdeu peças da parte dianteira de seu Toro Rosso. Os dois conseguiram chegar aos boxes porem abandonaram logo depois.

Na segunda metade da prova, Barrichello começou a sofrer pressão de Rosberg e Massa na briga pela 3ª colocação. Na 46ª volta, após as segundas paradas dos dois pilotos que concorriam com o competidor da Brawn, o da Ferrari se deu melhor e retornou à frente do alemão.

Lá na frente, a Red Bull seguia seu domínio, com Vettel na frente e Webber em 2°. Na 47ª volta, o australiano fez sua segunda parada, na mesma volta Barrichello também entrou nos boxes. A única alterçao foi por conta de Jeson Button que ganhou a sua posição, na ultima parada, em cima do italiano Jarno Trulli e terminou em 6º. Mesmo assim ainda é o líder do campeonato.
Confira o resultado final do GP da Inglaterra:
1. Sebastian Vettel (Red Bull) 1h22min49s328
2. Mark Webber (Red Bull) + 15s188
3. Rubens Barrichello (Brawn GP) + 41s175
4. Felipe Massa (Ferrari) + 45s043
5. Nico Rosberg (Williams) + 45s915
6. Jenson Button (Brawn GP) + 46s285
7. Jarno Trulli (Toyota) + 1min8s307
8. Kimi Räikkönen (Ferrari) + 1min9s622
9. Timo Glock (Toyota) + 1min9s823
10. Giancarlo Fisichella (Force India) + 1min11s522
11. Kazuki Nakajima (Williams) + 1min14s023
12. Nelsinho Piquet (Renault) + 1 volta
13. Robert Kubica (BMW Sauber) + 1 volta
14. Fernando Alonso (Renault) + 1 volta
15. Nick Heidfeld (BMW Sauber) + 1 volta
16. Lewis Hamilton (McLaren) + 1 volta
17. Adrian Sutil (Force India) + 1 volta
18. Sébastien Buemi (Toro Rosso) + 1 volta

Não completaram:
Sébastien Bourdais (Toro Rosso);
Heikki Kövalainen (McLaren)

O grid de largada para o GP da Inglaterra

Confira o grid de largada para o GP da Inglaterra:
1. Sebastian Vettel (Red Bull) 1min19s509
2. Rubens Barrichello (Brawn GP) 1min19s856
3. Mark Webber (Red Bull) 1min19s868
4. Trulli Trulli (Toyota) 1min20s091
5. Kazuki Nakajima (Williams) 1min20s216
6. Jenson Button (Brawn GP) 1min20s289
7. Nico Rosberg (Williams) 1min20s361
8. Timo Glock (Toyota) 1min20s490
9. Kimi Räikkönen (Ferrari) 1min20s715
10. Fernando Alonso (Renault) 1min20s741
11. Felipe Massa (Ferrari)1
2. Robert Kubica (BMW Sauber)
13. Heikki Kövalainen (McLaren)
14. Nelsinho Piquet (Renault)
15. Nick Heidfeld (BMW Sauber)
16. Giancarlo Fisichella (Force India)
17. Sébastien Bourdais (Toro Rosso)
18. Adrian Sutil (Force India)
19. Lewis Hamilton (McLaren)
20. Sébastien Buemi (Toro Rosso)

20.6.09

Uma luz no fim do Túnel: Bernie começa a dar as suas cartadas

O chefe da Red Bull deu uma declarçao muito sabia arespeito dessa crise toda

"Acredito que Bernie é a única pessoa que poderia encontrar uma solução para tudo isso", disse o dirigente. "Mas isso não está próximo no momento".

Sábio o rapaz... tão sábio que Bernie já deu uma entrevista admitindo a possibilidade de que o limite de custos caia para acabar com o conflito entre FIA e Fota.Segundo Ecclestone, se os times se comprometerem a correr na F1 pelos próximos cinco anos, o teto de £ 40 milhões (cerca de R$ 127 milhões) não será implementado.O limite orçamentário foi um dos motivos da cisão da Fota com a FIA. A Associação das Equipes rompeu com a entidade presidida por Max Mosley e prometeu fazer um novo campeonato no ano que vem com suas oito representantes.

È as mãos de Bernie dando as cartas certas novamente.

Mais equipes entram em contato com a FOTA, entre elas a de Campos

O campeonato paralelo idealizado pela Fota (Associação de Equipes da F1) pode ganhar mais equipes, além das oito que decidiram deixar a F1 por não concordarem com a FIA a respeito do regulamento para o Mundial de 2010. Um dos times novatos pode ser a Prodrive, de David Richards. O outro significaria mais um golpe contra a Federação Internacional de Automobilismo: a Campos, que, por enquanto, está confirmada na próxima temporada da principal categoria do esporte a motor mundial.

Segundo Martin Whitmarsh, o número de times garantidos na futura competição é bom, mas a Fota aceitaria a entrada de outras escuderias para encher ainda mais o grid.

"Acredito que oito equipes é suficiente, mas times novatos ou experientes seriam bem-vindos", disse o chefe de equipe da McLaren, garantindo que a entidade já foi procurada a respeito desse assunto.

fonte:grandepremio

"Já houve uma sondagem de alguns dos times que você mencionou", afirmou Whitmarsh, se referindo à Lola e à Prodrive, que foram citadas em uma pergunta de um jornalista durante entrevista coletiva nesta sexta-feira (19) em Silverstone. "Nas últimas horas, muitas equipes manifestaram seu interesse em integrar a nova categoria, e estamos fazendo de tudo para encorajá-las a fazer parte disso", falou.

A FIA vai a justiça contra a FOTA

O conflito entre FIA e Fota parece realmente insolúvel. Depois de dizer que "já esperava" a reação da associação das equipes, que anunciou no fim da quinta-feira o seu rompimento com o Mundial organizado por Max Mosley, a federação emitiu um novo documento nesta sexta (19) dizendo que vai entrar na justiça contra a entidade rival — e que, por ora, não vai revelar os nomes dos times que disputarão a temporada de 2010.

De acordo com a FIA, a ameaça da Fota de criar uma nova categoria é ilegal, e a federação confirmou que vai levar o caso aos tribunais devido às "sérias violações legais, incluindo interferências em relações contratuais, a quebra direta de obrigações da Ferrari e uma grave violação da lei de competições".

Por isso, continuou o comunicado, a publicação da lista oficial dos participantes do Mundial do próximo ano será suspensa até que a FIA tenha confirmados os seus direitos legais. Mas, ainda de acordo com a FIA, a preparação para o campeonato de 2010 continua.
Fonte:grande premio
A Fota nao quis comentar a declaração da FIA.

A opinião dos pilotos e ex-pilotos da divisão da F-1

Kimi Raikkonen
"É claro que a equipe vai correr em algum lugar. Tenho um contrato, então eu corro da forma que eles planejarem",

"Todos nós queremos estar na F1 da maneira apropriada como tem sido e com boas regras, mas isso não é da alçada dos pilotos. Há muita coisa acontecendo, e vou correr aonde esta equipe decidir correr. Se for a F1, ótimo. Senão, será outra coisa". Gostaria de estar na F1. Por isso vim para a F1 e por isso ainda estou aqui. É a maior categoria do mundo, com os melhores pilotos e equipes. Então será triste perder isso."


Fernando Alonso

“Uma nova categoria vai chegar e a Fórmula 1 pode desaparecer, então nós temos que ir para a melhor categoria que, no momento, é a da Fota, com os melhores times do mundo e os melhores pilotos do mundo. Obviamente, esta é a minha opinião, mas acredito que 99% dos pilotos concordam comigo...É como a A1GP e a GP2. Categorias muito legais para as quais ninguém liga....Ainda não acabou, mas os times não são os problemas agora. Eles fizeram o máximo, agora é com a FIA. Eu penso que eles tiveram dois meses para fazer isso. Talvez, agora seja muito tarde. Vamos ver.”

Jeson Button

"Um piloto quer competir contra o que há de melhor no mundo, e isso é o que eu quero. Quero que isso continue, e com times que estão por aqui há muitos anos. Nosso time é jovem, mas está cheio de pessoas que estão envolvidos com o esporte há muito tempo, o que nos torna muito experientes de alguma maneira", disse Button, que ainda destacou a importância das grandes equipes e como é bom competir contra marcas famosas, como a Ferrari. Superar a Ferrari nas corridas é um sentimento incrível, e se não passarmos por essa situação no ano que vem, será muito diferente. Por isso, não me importo onde estou, desde que esteja correndo contra os melhores times e os melhores pilotos".

Sebastian Vettel

"Todos os pilotos de F1 querem a mesma coisa, que é competir contra os melhores adversários, com os melhores carros e as melhores equipes...Mark Webber e eu apoiamos totalmente a equipe e vamos ter de esperar para ver o que acontecerá, mas isso não é o mais importante agora. 2010 ainda está longe, e temos de nos focar na corrida deste final de semana".

Juan Pablo Montoya

"Fazer outra categoria? Sim, eles [Fota] vão matar a F1 se forem embora...Todas as montadoras estão lá, entende? Acho que se eles puderem tirar Mosley de lá, vão, provavelmente, continuar. É algo que pode ajudar a Nascar e trazer mais atenção. Como quando a Indy se separou".

Rubens Barrichello

"No meu pensamento, o que Max Mosley quer da F1 é algo que não é possível....Haver dois regulamentos dentro de uma categoria só é uma coisa que não pode esperar da F1. Tem muito dinheiro envolvido, muita gente, muitos motores, muito poder. Perde credibilidade."

A nova de Tio Mosley...

"Eu não quero falar muito sobre isso, mas a dificuldade em que estão me colocando é que, mesmo que eu quisesse parar de trabalhar em outubro, estão tornando isso complicado. Então, tudo que está sendo feito é contraproducente, porque o pessoal da FIA está me dizendo que temos problemas e que eu preciso ficar", explicou Mosley.

O dirigente falou que, caso um novo presidente fosse eleito, ele seria bombardeado pela Fota e teria dificuldades de se impor. "Todo mundo sabe que não haveria paz, pois todos iam querer a cabeça de quem entrasse, e quem viesse depois, até que conseguissem o que queriam: comandar o esporte e tirá-lo da FIA. E seria a mesma coisa com Bernie Ecclestone", destacou.

"Eu sou o protagonista da história por ser o presidente da FIA", continuou Mosley, "e não posso ficar sem a autoridade que tenho. Nós temos 120 países diferentes representados e cada um comanda o automobilismo no seu país; é uma organização gigantesca, e não se pode deixá-la no meio de uma crise."

Nosso tio ta precisando cair na real...e sair da fase "creche".

Entrevista Alonso


“Tenemos para esta carrera algunas modificaciones en el suelo del coche, las que, teóricamente, nos deberían dar una media décima de ventaja, por lo que es casi inapreciable. El equipo hará lo mismo en cada carrera, y anunciará que tenemos muchas ventajas, pero en realidad lo harán todos, por lo que la ventaja no es tal. Todo el mundo tendrá mejoras y se anunciarán también. La realidad indica que seguiremos sufriendo para entrar en la Q3, y el objetivo sigue siendo coger los puntos que nos dejen los demás”.
“La ausencia de entrenamientos fuera de las carreras está afectando a la introducción de mejoras. Antes, si empezabas mal el campeonato podías ir arreglándolo durante el año, experimentando. Si iba bien, lo introducías en la siguiente carrera. Este año no, y nadie quiere arriesgar. Ahora, los viernes ponemos lo que nos parece que va a ir mejor, pero nadie arriesga en ello. El problema viene dado en que las pruebas de túnel de viento se hacen con el coche en línea recta, pero no se sabe cómo se comportará el coche en las curvas”.
“Para Nurburgring introduciremos algunas mejoras más, tanto aerodinámicas como mecánicas, en la suspensión trasera, y eso nos puede hacer mejorar de forma algo mas consistente. De todos modos, repetir el salto que dimos el año pasado no se va a repetir. Pero que nadie espere que pueda ganar dos carreras como en 2008”.

18.6.09

The end


“Desde a formação da FOTA em setembro, as equipes têm trabalhado unidas e procuraram engajar a FIA e o detentor dos direitos comerciais para desenvolver e melhorar o esporte.
Uma crise financeira sem precedentes colocou diante da comunidade da F-1 enormes desafios. A FOTA orgulha-se de ter estipulado medidas substanciais de corte de custos, as maiores na história de nosso esporte.
As equipes de fábrica em particular ofereceram assistência aos times independentes, alguns dos quais provavelmente não estariam no esporte se não fossem as iniciativas da FOTA. As equipes da FOTA concordaram voluntariamente em reduzir seus custos de forma a chegar a um modelo sustentável para o futuro.
Em seguida a esses esforços, todos os times confirmaram à FIA e ao detentor dos direitos comerciais sua disposição de assumir um compromisso até o fim de 2012.
A FIA e o detentor dos direitos comerciais fazem uma campanha para dividir a FOTA.
Os desejos da maioria das equipes foram ignorados. Além disso, dezenas de milhões de dólares dos times foram retidos pelo detentor dos direitos comerciais desde 2006. Apesar disso e da ausência de um ambiente favorável a um compromisso, a FOTA genuinamente procurou esse compromisso.
Ficou claro, assim, que as equipes não podem continuar a assumir tal compromisso relativo aos valores fundamentais do esporte, e declinaram de alterar suas inscrições condicionais para o Campeonato Mundial de 2010.
Estas equipes, assim, não têm outra alternativa que não iniciar a preparação para um novo Campeonato que reflita os valores de seus participantes e parceiros. Esta categoria terá uma gestão transparente, um único regulamento, vai encorajar a entrada de novas equipes e escutar os desejos dos fãs, inclusive oferecendo preços de ingressos mais baixos em todo o mundo, assim como a novos parceiros e acionistas.
A maioria dos pilotos, estrelas, marcas, patrocinadores, promotores e companhias historicamente associadas ao mais alto nível do automobilismo estarão todos do lado dessa nova categoria.”


Este é o atestado de obito da maior categoria do automobilismo mundial. Cabe esperar para ver se ele é verdadeiro ou falso.
Espero que Formula-Fota seja transmitida para o Brasil....

16.6.09

Convite para o kart


Convite para os Kartistas amadores do Rio de Janeiro e regiões.É só ir...

Volta virtual no Gp de Inglaterra

Voltando as noticias alegres... well... este é um dos melhores GPs da categoria é uma pena que vai sair do caledário no ano que vem, bom se tiver caledario...

Será o fim? FOTAxFIA

A crise política entre FIA e Fota atingiu um novo patamar nesta terça-feira . Após garantir que vai manter o teto orçamentário de £ 40 milhões para a temporada de 2010, como havia programado no seu regulamento para a próxima temporada, a federação presidida por Max Mosley emitiu um extenso comunicado detalhando o que a levou a tomar suas decisões e explicou o seu lado da história na crise política com as escuderias. De acordo com a entidade, sua intenção é apenas de adequar a F1 às necessidades financeiras atuais do mundo.

A disputa política não mostrou sinais de termino, e a possibilidade de um racha na categoria é bem grande. Agora é torcer para que as duas partes entre um consenso e não cheguem ao fim da formula-1. Em seguida, encontra-se a tradução na integra do documento publicado pela FIA.

Qual o real objetivo dessa disputa? É sobre uma tentativa de algumas equipes de tomar o controle dos direitos comerciais da F-1? Ou tomar a função regulamentar da FIA? Ou, até mesmo, um conflito de personalidades? Existem elementos de todas essas questões, mas o assunto principal é filosófico, e vai para os fundamentos da F-1. É sobre liberdade técnica. É reconhecido pela FIA e por muitas equipes que você pode ter liberdade técnica -a liberdade para inovar - ou você pode ter a liberdade de gastar sem limites. Mas você não pode sustentar ambos.
A lição que surgiu após cinco anos de tentativas para conter os custos de motor foi que as economias verdadeiras só podem ser adquiridas com a remoção da liberdade técnica: o congelamento dos motores. Todas as tentativas para limitar os gastos com restrições técnicas apertadas falharam. Por isso que temos um motor congelado hoje em dia, que deve ser substituído em breve. O consenso é que a substituição deve ter um orçamento _um limite no que pode ser gasto em desenvolvimento, e um limite nos custos de uma unidade, assim como os motores que são desenvolvidos para as ruas. A alternativa seria retornar aos gastos ilimitados pelas montadoras. Isso nunca seria uma medida racional, mas uma insanidade na atual situação.
Se aplicarmos essas lições ao resto de um carro de F-1, podemos ver que as tentativas para tomar as rédeas nos gastos com regras detalhadas não vai funcionar. Elas não funcionaram no motor e não vão funcionar nos chassis. Regras detalhadas asfixiam a inventividade e a inovação. Mas, pior, elas não reduzem os gastos de forma significativa. Assim como os motores congelados, uma real economia só poderá ser feita com um chassi congelado, um grande absurdo.
Desejamos ver uma tecnologia inovadora na F-1, e a única maneira é limitar os gastos e permitir aos engenheiros a liberdade para fazer o melhor trabalho com um orçamento fixado. Isso é exatamente o que acontece no muito real e a única maneira para a F-1 seguir adiante. Sem a inovação técnica, a F-1 vai definhar e morrer. Sem a contenção real de gastos, a F-1 perderá suas equipes. Por isso que a FIA está insistindo nisso como parte das regras.
A última e decisiva vantagem de um regulamento com a contenção de gastos é que isso proverá uma liberdade técnica igual para todos. Com um limite de gastos, a equipe de engenharia mais inovadora e esperta vencerá. Não será possível substituir um orçamento gigante por habilidade intelectual. Em um um campeonato esportivo e tecnológico, este, certamente, é o caminho certo.
A FIA e a FOM, juntas, levaram décadas transformando a F-1 na competição automobilística mais assistida na história.
No vácuo deste sucesso, a Fota feita de participantes que vêm e vão conforme seus interesses, definiram dois objetivos claros: tomar o controle dos regulamentos da F-1 e pegar para si os direitos comerciais. Esses são objetivos que a FIA não pode aceitar.
Quando a Honda anunciou sua retirada da F-1, em dezembro de 2008, eles já haviam entrado na temporada 2009 e estavam comprometidos contratualmente a correr. Duas coisas, então, ficaram claras para a FIA. Primeiro: qualquer uma das montadoras podem parar a qualquer momento, e a FIA não pode entrar com um recurso contra a companhia principal, mas, apenas, contra a equipe, que não tem propriedades nos excessos de suas dívidas; Segundo: era muito possível que outras montadoras saíssem antes de 2010.
A Renault era dependente do governo francês. Parecia duvidoso que o dinheiro dos contribuíntes continuaria sendo usado para contribuir com os altos gastos desta equipe. Já as operações da Toyota enfrentaram sua primeira perda nos tempos modernos, e poderiam não desejar continuar a depositar centenas de milhões em uma equipe de corridas, enquanto a BMW, que fazia sacrifícios em seus negócios para cortar custos, poderia não querer gastar fortemente em sua equipe.
Enfrentando a situação de ter apenas 18 carros em Melbourne, e a possibilidade do pior em 2010, a FIA teve de agir. E dois passos óbvios foram tomados. O primeiro foi se aproximar do Sr. [Luca] di Montezemolo para ver se as montadoras gostariam de garantir a presença de suas equipes em 2010, assim não teríamos a repetição da situação da Honda.
E, em segundo lugar, iniciar as conversas com a Fota para cortar custos até o ponto em que as montadoras não se sintam interessadas em parar, tornar viável a competição para as equipes independentes, e trazer novas equipes para ocuparem os espaços vazios.O Sr. di Montezemolo prometeu assegurar as garantias necessárias das principais montadoras (não confundir isso com as garantias das equipes). Ele continuou prometendo isso durante todo o inverno, e, mais recentemente, no encontro que teve com o presidente da FIA [Max Mosley], no dia 23 de fevereiro de 2009. Nenhuma carta sociável veio, nem mesmo da companhia do Sr. di Montezemolo, a Fiat.
Ao mesmo tempo, a Fota e o Sr. di Montezemolo recusaram todas as tentativas de encontros para discutir a redução dos custos. Não havia necessidade, diziam para a FIA. As medidas próprias da Fota eram adequadas e eles introduziriam um terceiro carro. Em março, ficou claro que a Fota não tinha a intenção de facilitar a entrada de novas equipes. De fato, eles se opuseram.

Também ficou claro que a FIA queria novas equipes em 2010 e teria de publicar as regras; caso contrário, seria muito tarde para uma nova equipe construir um carro. A FIA também teve de considerar qual nível de gastos funcionaria para um time novo e como garantir que ele, com custos limitados, não fosse perigosamente lento.

Isso levou à decisão do Conselho Mundial do dia 17 de março, introduzindo uma regra financeira voluntária e liberdade técnica para as equipes que aderissem, garantindo níveis de performance na F-1. A Ferrari votou contra o regulamento no encontro, mas não contra as liberdades técnicas para as novas equipes (a Ferrari não votou contra o sistema de regulamento duplo).
Mesmo após este voto, a Fota não estava preparada para conversar. Muito menos estava o Sr. di Montezemolo, mesmo que particularmente. Na falta de negociações, ou de nenhum sinal de garantias de participações das companhias, era essencial publicar o regulamento detalhado e convidar novos times. Por outro lado, havia um risco real da falta de carros suficientes para Melbourne em 2010.
O regulamento detalhado foi discutido e votado no encontro de 29 de abril do Conselho Mundial. O novo representante da Ferrari no Conselho era o Sr. di Montezemolo, que substituiu Jean Todt, cujo contrato expirou no dia 31 de março. O Sr. di Montezemolo escolheu não comparecer ao encontro, sendo representado pelo Sr. Luigi Macaluso, presidente do kartismo italiano, que também não apareceu, mas participou através de um link de vídeo. Foi dele um dos dois votos contra as novas regras, com nenhum motivo ou alternativa oferecidos.
A partir de então, uma troca de cartas foi iniciada com o advogado da Ferrari, e um encontro foi marcado entre todos os membros da Fota e o presidente da FIA, em 15 de maio. John Howett (presidente da equipe Toyota), como o vice-presidente da Fota, liderou a delegação na ausência do Sr. di Montezemolo. A partir do momento em que a FIA levantou a questão do regulamento financeiro, o Sr. Howett tentou liderar uma saída dos times. Isso não aconteceu, mas, durante o encontro, ficou claro que a Ferrari iniciou procedimentos emergenciais na corte francesa tentando evitar a introdução do regulamento para 2010. Ficou claro que a Fota não tinha a intenção de negociar nada, mas simplesmente esperava que a FIA concordasse com todas as suas exigências.
Um encontro seguinte foi marcado para o dia 22 de maio, desta vez com a presença do Sr. di Montezemolo. A Fota explicou que tinha três grandes reservas: estabilidade regulamentar, de governo e das regras para 2010, particularmente o sistema de regulamento duplo. Foi explicado que a ajuda técnica das equipes atuais já havia sido substituída para o sistema de regulamento duplo, e isso não era mais um tópico de discussão. E isso foi ressaltado para o Sr. di Montezemolo pelo menos umas cinco vezes durante o encontro, mas ele e a Fota insistem em falar sobre isso até hoje.
A FIA também ofereceu a extensão do Pacto de Concórdia de 1998, que tomaria conta da estabilidade e do controle para um grau que deixasse todos satisfeitos por dez anos, a partir de 2009. A FIA foi solicitada a mudar a data de inscrição. Foi explicado que o Código Esportivo não oferecia tal suspensão e que, em qualquer categoria, os potenciais novos participantes precisariam saber com urgência se eles teriam lugar.
No dia 29 de maio, as oito equipes restantes da Fota solicitaram inscrições condicionais. Dentro das condições estavam um requerimento onde a FIA teria de assinar imediatamente o novo Pacto de Concórdia da Fota (que diluiria o Código Esportivo, criaria uma organização fora, o CAS, que permitiria a qualquer equipe vetar as mudanças de regras e removeria o direito da FIA de insistir em mudanças, se os carros ficassem perigosamente rápidos). A Fota também cancelou as referências ao Código Esportivo Internacional em seus formulários de inscrição, e queriam as regras de 2010 rescindidas, não obstantes do fato de que um número de novas equipes já haviam se inscrito.
Um outro encontro foi realizado no dia 11 de junho, quando a Fota foi representada por Ross Brawn (Brawn), Stefano Domenicali (Ferrari), Christian Horner (Red Bull) e John Howett (Toyota). Após quase cinco horas de conversas, foi acordado que os objetivos da Fota e da FIA na redução dos custos eram muito próximos, se não idênticos, e que os especialistas financeiros de ambos os lados deveriam se encontrar sem atraso para procurar uma posição em comum. Além disso, a proposta da FIA de prorrogar o Pacto de Concórdia de 1998, para evitar negociações intermináveis, foi bem recebida. O acordo também foi atingido em pequenas modificações e esclarecimentos para as regras de 2010.
Logo após tudo isso ser concordado, a Fota divulgou um comunicado dizendo que nenhuma evolução foi feita no encontro. Esta falsidade grosseira demonstra novamente que os elementos da Fota não querem um acordo.
No dia 15 de junho, o encontro dos especialistas financeiros aconteceu. Contudo, os representantes da Fota estavam proibidos de discutir os regulamentos financeiros da FIA, fazendo com que fosse impossível atingir uma posição em comum. O encontro examinou as ideias da Fota na redução dos custos, mas, como foi apresentado, seria apenas um sistema voluntário, incapaz de limitar os gastos de uma equipe que tem os recursos para superar seus competidores.
A Fota diz que "o esporte precisa de um melhor controle". A FIA e a Ferrari extenderam o Pacto de Concórdia de 1998 em 2005, e a FIA está preparada para fazer o mesmo com todas as equipes que entrarem. Uma vez dito isso, a FIA e as equipes podem analisar uma atualização para uma versão 2009. Mas este não é o ponto. A F-1 precisa de um regulador forte e imparcial, por causa da natureza do esporte e dos competidores pessoas que querem vencer (literalmente) a qualquer custo. Existem diversos exemplos conhecidos disso envolvendo pelo menos quatro membros da Fota nos últimos anos.
Bom controle não significa que a Ferrari deve governar. A Ferrari agora alega que os procedimentos da FIA são contrários ao acordo que ela tem com a entidade, mas, na realidade, eles nunca se opuseram a estes procedimentos (eles votaram por eles). A Ferrari esteve oficialmente (assim como não-oficialmente) representada no Conselho desde 1981 e nunca se opôs às decisões até abril e maio deste ano.
A Fota diz que "as novas regras são ruins para o esporte". Mentira, já que o regulamento de 2009 introduziu grande liberdade técnica em diversas áreas. As regras de 2010 permitirão ainda mais liberdade. Compare isso com a proposta da Fota: nada de testes, de Kers, caixa de câmbio homologada, carenagem homologada, limitações nas atividades de fábrica, fechamento forçado e por aí vai. Ao invés de encontrar maneiras econômicas de inovar (o que é o espírito da F-1 e o desafio da indústria automotiva), as propostas da Fota obrigariam uma restrição nas atividades e minimizariam o desafio técnico. Quando a Brawn e outras equipes apareceram com a ideia do difusor duplo, as outras equipes atacaram-os na mídia, desafiando-os na frente dos comissários em dois encontros, e, depois, levaram-os aos tribunais. A FIA quer garantir que a F-1 é a categoria mais desafiadora tecnologicamente e restricões financeiras tornarão isso possível.
A Fota diz que "dois tipos de regras arruinarão o esporte". O regulamento de 2010 foi estruturado para permitir aos novos times vantagens técnicas para permitir que eles entrem no grid. A intenção original era não ter as equipes de 2009 correndo sob essas condições. O interessante é que, para diversas das equipes atuais, a ideia de uma grande liberdade técnica com restrições técnicas era muito atraente. Pelo menos metade das equipes atuais se adaptariam. Foi confirmado que teria apenas um tipo de regras, isso foi reafirmado em Mônaco e, novamente, na última quinta. Agora que as novas equipes foram definidas, um tipo de regulamento pode ser acordado.
A Fota diz que "a FIA será capaz de se intrometer em nossos negócios", sobre a proposta da FIA de regular a quantidade de dinheiro gasto. Não há a intenção de trapacear. O regulamento não deve ser uma ameaça. A FIA já regula cada aspecto da performance técnica e os acordos com uma vasta quantidade de propriedade técnica confidencial sem parcialidade ou "interferência". De qualquer forma, a FIA já concordou que o regulamento financeiro será administrado primeiramente perlas próprias equipes, através de auditores e diretores.
A Fota diz que "um teto orçamentário danificará o DNA da F-1". Colocar um limite nos gastos de certos aspectos da competição na F-1 iguala o grid. A F-1 não é sobre competição? Isso permite a entrada de novas equipes _a única equipe nova da F-1 nos últimos anos foi a Super Aguri, que não conseguiu sobreviver sem o apoio de uma montadora. Mas, quando você analisar o custo total para um construtor, ele será desconfortavelmente alto, mesmo com um teto de 50 milhões de euros. Pegue a Ferrari: com € 50 milhões no chassi e na corrida, adicione o mesmo para os pilotos, cerca de € 80 milhões para os motores e mais € 20 milhões para o marketing, e você terá gasto € 200 milhões. Talvez seja menos que os € 400 a € 500 milhões que seus advogados dissseram sobre os gastos de uma equipe de ponta, mas, certamente, é o suficiente para uma equipe gastar na entrada de dois carros em um ano.
A FIA permanece comprometida em encontrar soluções para a F-1 e sempre está pronta para aceitar compromissos consideráveis enquanto mantém o princípio geral de que continuará a liderar e regulamentar o esporte para o benefício de todos seus acionistas. A F-1 terá um grid completo em 2010 com um único tipo de regras. É essencial que isso inclua regras financeiras claras e precisas."
fonte:grande premio, globo, uol

14.6.09

O primeiro espanol a ganhar em Le Mans

El Peugeot 908 Hdi FAP que comparten el español Marc Gené, el austríaco Alex Wurz y el australiano David Brabham se han impuesto en las 24 Horas de Le Mans. A media hora del final salió un coche de seguridad, de nuevo la emoción de la incertidumbre.
Pero Marc Gené parecía tranquilo dentro de su Peugeot 908 HDi FAP, una increíble máquina con la que acaba de convertirse en el primer español en conseguir la victoria en las 24 Horas de Le Mans.Además lo ha hecho alargando su último turno para ser el elegido por el equipo para terminar la carrera.
Un honor al alcance de los grandes.Segundo ha sido otro Peugeot, en un gran doblete de la fábrica francesa, el de Sarrazin, Bourdais y Montagny, para dejar al primer Audi, el del eterno Kristensen, junto a Capello y McNish, en tercera posición. Aunque a veinte minutos del final, Bourdais tuvo un problema con su coche que estuvo a punto de quitarle su segundo puesto, aunque al final quedó en nada.
Buen debut de los Aston Martin, cuarto puesto del coche 007 y más de 300.000 personas en un circuito único y mágico en el que los coches parecen de Scalextric en lo alto de la noria a las tres de la madrugada mientras los frenos al rojo iluminan la noche.
Tras ganar en moto el Dakar y el GP de Mónaco, ahora llega Le Mans y sólo quedan las 500 Millas del Indianápolis, el último reto para el motor español tras la gran victoria de Marc Gené ayer en el circuito de 13,600 metros del noroeste de Francia.En LMPGT1 volvió a ganar el madrileño Antonio García, por segundo año consecutivo y tras imponerse este año en Daytona y Sebring.
Fonte:marca

Montezemolo em Le Mans

El presidente de Ferrari, Luca di Montezemolo, reiteró su amenaza de abandonar la Fórmula 1: "Nosotros correremos en la Fórmula 1 con las características que queremos mantener o habrá una alternativa. Definitivamente, esta situación se resolverá de un modo o del otro. Los grandes fabricantes están preparados para organizar un Mundial alternativo", avisó el presidente de Ferrari en Le Mans, donde se celebran las míticas 24 Horas.

Montezemolo enumeró sus peticiones, que pasan por lograr "estabilidad, reglas claras, un sistema de gobierno transparente y la posibilidad de dejar a los equipos que recorten gastos como ya han hecho". "Esperamos encontrar una solución. Estoy seguro de que hay gente responsable en la FIA que entiende la situación", añadió.

fonte:marca.com

Opala

O meu amor!!!!!!!!!!!Quarentão!!! Motor de sobra!!! Mecanica maravilhosa, um senhor caro ate para os dias de hoje. Adoro opalas e eles estao fazendo quarenta anos que foram feitos pela primeira vez. Erdeu essa paixão do meu velho. Resolvi fazer uma homenagem.

”O Salão do Automóvel de 1968 foi a vitrine escolhida para lançar o projeto 676. O Chevrolet Opala, veículo inovador para a época, representava o início da produção de automóveis pela General Motors do Brasil.Dois anos de desenvolvimento, baseados no projeto alemão, 500 mil quilômetros rodados, foram componentes fundamentais para a construção da fama que o Chevrolet Opala possui até hoje: Conforto, Qualidade, extrema Durabilidade e Robustez Mecânica Inigualável.Durante todos os anos de produção ininterrupta, o Opala foi conquistando milhares de consumidores e conseguindo o que poucos automóveis costumam fazer: Conquistar confiança e respeito e tornar centenas de
proprietários em verdadeiros fãs. A marca Chevrolet deve muito ao Opala, fundamental para a excelente fama que possui hoje. Cada vez mais confortável e potente, o Opala é único.”
Fonte:opala.comO melhor carro construído pela GM-Chevrolet(houvi isso do gerente geral da montadora) no Brasil.

Carburador duplo, versão V4 ou V6 ou V8, a álcool ou gasolina, cambio alavanca, manual ou semi-automático (esse nunca dirigi mas deve ser uma maravilha).
Hoje em dia é um carro barato, quer saber vale a pena. Lógico que tem as suas limitações, pois estamos falando de um senhor de quarenta anos e muitos quilômetros de serviços prestados que se não for bem cuidado quebra e vou avisando são uma tonelada e meia para empurrar... fora isso não quebra nem a pau.

Para aqueles que conhecem, é inegável a presença dos Opalões 6 'bocas'. Para os que não tiveram a oportunidade de conhecer ou possuir um, fica a memória do carro que revolucionou a indústria automobilística brasileira, o CHEVROLET OPALA.



Frio de São João

adoro esse tempo. É festa de São João, frio... to morrendo de frio mas adoro.... boa epoca...hehehehe.... bom tempo para videos... la vai mais um!!!!!!!!!!!

A propaganda do Santander para o GP da Inglaterra!





Para acabar com o mau humor...

13.6.09

Videos...

Turquia em fotos

Apartir de agora. A fotos do GP da Turquia em alta definição!!! Boa visialização para voces. so clicar aqui para ir ao album. E lá podem comentar a foto, caso queiram....

bjs

a todos

Le Mans

Uma série de acidentes entre os primeiros colocados na primeira passagem pelos boxes levou a Audi a tirar a trinca de Peugeots que estavam na liderança nas voltas iniciais das 24 Horas de Le Mans. Após 60 minutos de corrida, Franck Montagny, com o Peugeot 908, segue na ponta, com 20 voltas completadas.
Logo em seguida, porém, dois Audi R15 já buscam a primeira colocação: Allan McNish voltou ao segundo posto após perdê-lo na largada e, em terceiro, aparece Mike Rockenfeller.Os dois representantes da montadora alemã se aproveitaram do acidente sofrido por Pedro Lamy, com o Peugeot nº 7, que colidiu com Jean-Christophe Boullion, da Pescarolo Peugeot, dentro dos boxes. Por causa do choque, o português viu seu pneu traseiro esquerdo estourar em plena reta de Mulsanne, o que provocou a entrada do safety-car. Lamy está com uma volta a menos do que os ponteiros.

Quem também teve problemas foi Alexandre Premat, da Audi. O francês fora ultrapassado por Stefan Mucke, da Lola Aston Martin, e estava perseguindo o rival quando perdeu o controle do carro na curva Indianápolis. Premat acabou atingindo a proteção de pneus, mas conseguiu retornar aos boxes, duas voltas atrás de Montagny.

O quarto lugar está com Marc Gené, também da Peugeot. Mucke é o quinto, à frente de Darren Turner, também com um Lola Aston Martin. Andrea Belicchi (Lola Aston Martin) é o sétimo, e Christophe Tinseau (Pescarolo Peugeot), Charles Zwolsman (Audi R10) e Olivier Panis (Oreca) completam a lista dos dez melhores.

Fonte:grandepremio

Perdas e ganhos

A briga pelo poder continua. Como tudo na vida é uma situação onde há muito que perder e o que ganhar. Onde é marcada pela a luta pelo poder e pelos seus milhões de dólares que o cerca. E que ameaçam uma das mais importantes categorias de automobilismo.

As pessoas estão se esquecendo que a FIA organizam não somente a F-1, mas também outras categorias. Aqui no Brasil é responsável por todas as categorias “maiores” que são filiadas a CBA (Confederação Brasileira de Automobilismo). Isso vai do kart a Stock Car. Categorias, onde muitos dos que lá correrem, sonharam ou ainda sonham em tornar-se pilotos da primeira divisão, ou seja, da F-1. Por isso tudo, apesar passar por uma ditadura surpreendente, não acredito que um acordo não seja feito. É toda uma estrutura a ser jogada fora.

Uma nova categoria pode ser formulada levando Ferrari & etc? Essa categoria pode não ser filiada a FIA? Nada impede. Porem qual serão os preços a serem pagos? Para ambos os lados será um desastre. A FOTA teria os melhores carros e pilotos e com isso patrocinadores, pistas e publico porem não teria a tradição e organização de hoje. A FIA teria que reerguer novamente uma categoria que fosse fonte de referencia para as o automobilismo, alem de ambas terem que competir com a coexistência da outra, e assim dividir atenção e dinheiro. Tendo em vista toda essa situação a melhor saída seria o acordo.

A FIA diz “as grandes”, apesar da crise mundial dinheiro parece não é um dos maiores problemas, que elas não podem gastar. Gastar em desenvolvimento e propaganda inclusive. Ai vem à pergunta: o que nos estamos fazendo aqui? É a mesma coisa que chegássemos para uma "socialite” e disséssemos para ela não ir à festa ou comprar jóias caras, com certeza ia rir da nossa cara. Pois é isso que a FIA quer fazer. E ainda dizendo que “a socialite” deve fazer doações para pessoas mais pobres, ou seja, dar suporte tecnológico a equipes “pobres”.

Alem disso tudo tem uma antiga pedra no sapato a FOTA: Bernie Ecclestone Todos que acompanham a Fórmula 1 devem conhecer Bernie Ecclestone, o mega empresário inglês, presidente da FOM, e virtual dono dos direitos de transmissão da Fórmula 1, que ficou bilionário e se nega a dar mais dinheiro a FOTA pelos direitos televisáveis e com o seu "afastamento" ganhariam muito mais, caso consigam organizar a nova formula-1.

Porem todos sabem que Bernie é um mal necessário e que os custos devem ser controlados, mas de uma forma concisa. Afinal todos os lados têm muito a perder.

ACEA entra na Briga

A Associação das Montadoras da Europa (ACEA, em inglês) se reuniu na última sexta-feira (12), em Bruxelas, e acredita que o modo como a Fórmula 1 é dirigida precisa mudar.
Após a publicação da lista de inscritos para a temporada de 2010 da Fórmula 1, a ACEA discutiu a situação envolvendo as equipes da FOTA e decidiu que o atual comando não pode continuar.
“Os membros da diretoria da ACEA avaliaram a atual situação da F1 e concluíram que isso deve mudar. A FIA precisa de um sistema modernizado e transparente para que as vozes de seus membros, das equipes e dos pilotos prevaleçam. A ACEA apóia os objetivos da FOTA, que incluem a formulação de um regulamento claro, estável e que seja comum a todos os competidores, além da diminuição dos custos e a redistribuição das cotas para os times. A não ser que esses objetivos sejam alcançados, BMW, Ferrari, Mercedes-Benz, Renault e Toyota estão determinadas a encontrar uma outra categoria para praticar o esporte”, declarou a entidade, através de um comunicado.
Fundada em 1991, a ACEA representa 15 montadoras. Seus membros são: BMW, DAF, Daimler, Fiat, Jaguar Land Rover, MAN Nutzfahrzeuge, Porsche, PSA Peugeot Citroën, Renault, Scania, Volkswagen e Volvo, além das divisões européias de Ford, General Motors e Toyota.
Fonte: racing

12.6.09

Vida de piloto

Mudando um pouco de assunto... um link da TV IG que mostra a rotina de patrocinadores imposta aos pilotos de Formula - 1. É bem legal é so clicar aqui e curtir. Bom video!!!!!!!!!

Entrevista Michael Schumacher

Um video com a opnião de Schumy acerca da confusao toda

Ferrari tenta rescisão co Raikkonen

A Ferrari tenta forçar a rescisão com Raikkonen, abrindo assim a porta à entrada de Fernando Alonso na 'scuderia', mas o finlandês não está pelos ajustes. Kimi Raikkonen recusou uma proposta de rescisão de contrato feita pela Ferrari em meados de Maio, insistindo que quer continuar a correr com a Scuderia em 2010.

Recorde-se que o finlandês accionou o direito de opção que tinha para estender o seu contrato por mais uma época, no ano passado durante o GP de Itália, depois de ter percebido, juntamente com a família Robertson, que se ocupa da gestão da sua carreira, que a Ferrari se preparava para não lhe oferecer uma extensão do contrato.

Stefano Domenicali foi até ao inicio desta temporada o grande defensor de Raikkonen no seio da Ferrari, continuando a afirmar que "o Kimi é o piloto com mais talento na F1", mas até o italiano está a perder a sua fé no nórdico, que apesar de mostrar a espaços uma rapidez impressionante, mantém um relacionamento distante com a equipa, não se entende com o engenheiro de pista Andrea Stella, que exigiu como substituto de Chris Dyer, e pouco ou nada contribui para o desenvolvimento técnico do F60.
Daí que Domenicali tenha tomado a iniciativa de propor uma rescisão amigável a Raikkonen e aos seus representantes, depois de nas primeiras corridas da temporada o finlandês ter voltado a desapontar. O seu comportamento na corrida de Barcelona - em que discutiu via rádio com o seu engenheiro de pista - foi a gota de água, e sendo forçado pelo acordo firmado por Montezemolo com Alonso há quase dois anos a abrir um lugar para o espanhol na sua equipa, optou por manter Massa e desfazer-se de Raikkonen, apesar de ambos terem contrato para o próximo ano.
Indemnização milionária



Segundo fontes que lhe são próximas, a posição contratual de Raikkonen é bastante forte e garante-lhe o pagamento integral do seu salário - nada menos que 30 milhões de euros anuais - caso a Ferrari prescinda dos seus serviços. Mas no caso de receber por inteiro o seu salário de 2010, Raikkonen terá de ficar parado, pois a Ferrari não o autorizará a correr com nenhuma outra equipa nem, provavelmente, o libertará, sequer, para fazer mais alguns ralis.

Daí que a Ferrari jogue com a vontade declarada de Raikkonen de continuar a correr por mais um ano para fazer baixar muito o valor da indemnização a pagar. Fontes da equipa italiana 'descaíram-se' propositadamente nos últimos dias, alimentando o interesse de equipas como a Toyota, BMW e Renault nos serviços do finlandês, ao ponto de Steve Roberston, normalmente confinado ao espaço da Ferrari nos Grandes Prémios, ter sido muito solicitado ao longo do fim-de-semana.

Caso encontre uma equipa competitiva que lhe possa dar também garantias financeiras, Raikkonen poderá aceitar sair da Ferrari levando menos de metade da indemnização a que tem direito, mas a separação parece inevitável, pois entre o nórdico e os italianos o ambiente é bastante frio.


Fonte:autosport

A lista?

Como previsto a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) divulgou, nesta sexta-feira, a lista oficial de participantes para a próxima temporada da Fórmula 1.

As dez escuderias atuais da categoria continuam na série, mas cinco delas ainda precisam emitir uma inscrição incondicional até a próxima sexta-feira, caso contrário perderão suas vagas. Com isso, na pratica, a FIA deu mais tempo paras coisas se resolverem. Das oito equipes da FOTA , cinco que faltam confirmar a inscrição são: McLaren, BMW Sauber, Renault, Toyota e Brawn GP. A FIA já colocou como confirmadas as escuderias Ferrari, Red Bull e Toro Rosso, alegando terem um contrato de longo prazo. Porem esta reeteraram o seu compromisso com a FOTA e não correr na proxima temporada caso não haja acordo. A Williams e Force India se inscreveram incondicionalmente e não correr ameaça ficar de fora do campeonato do ano que vem por não concordarem com as novidades previstas para 2010

As três novas equipes que participarão da categoria são: a Campos Grand Prix, a americana US F1 e a Manor Grand Prix

Essas três novas escuderias contarão com motores da Cosworth, marca que volta a categoria após quatro anos fora.

E caso as cinco equipes atuais que ainda não confirmarão inscrições incondicionais não assegurarem suas presenças, novos times poderão ser incluídos para o Mundial de 2010.

Confira a lista provisória de inscritos para a temporada 2010 da Fórmula 1:

Scuderia Ferrari Marlboro - Ferrari*
Scuderia Toro Rosso - STR TBA *
Red Bull Racing - Red Bull Racing *
AT&T Williams - Williams Toyota
Force India F1 Team - Force India Mercedes
Campos Grand Prix - Campos Cosworth
Manor Grand Prix - Manor Cosworth
Team US F1 - Team US F1 Cosworth
Essas cinco equipes ainda precisam confirmar suas participações até o dia 19 de junho.
*declararam não correr sem acordo

Vodafone McLaren Mercedes - McLaren Mercedes
BMW Sauber F1 Team - BMW Sauber
Renault F1 Team - Renault
Panasonic Toyota Racing - Toyota
Brawn GP Formula One Team - Brawn GP